Como funciona a biblioterapia

O bem-estar do ser humano é hoje visto de forma integral e encara-se o “ser-se saudável” não apenas como a ausência de doença física, mas também como o estar-se bem ao nível social e mental. Para alcançar este bem-estar global cooperam várias áreas do conhecimento e a Biblioterapia tem vindo a evidenciar potencialidades para colaborar no desenvolvimento e no equilíbrio do ser humano.

Para compreender e recordar um texto, os leitores fundem o seu conhecimento do mundo com a informação desse texto [1]. Isto é, quando lemos estabelecemos um diálogo constante com o texto, e nesse diálogo não só recebemos informação como levamos para dentro do texto tudo aquilo que somos: a nossa dimensão intelectual, emocional e até espiritual. Este diálogo profundamente subjetivo e íntimo, esta fusão entre leitor e texto, independentemente da sua dimensão ou conteúdo, é a premissa basilar da Biblioterapia, é o ponto a partir do qual o processo biblioterapêutico avança.

Durante a leitura, passamos por quatro momentos, que constituem as fases do processo biblioterapêutico [2;3]:

Identificação — O momento em que o leitor se reconhece nalgo ou nalguém (os personagens), o que lhe  permite compreender os seus próprios conflitos à luz dos conflitos desses personagens;

Catarse — Quando o leitor liberta sentimentos reprimidos e sente alívio através dos desafios vividos e ultrapassados pelos personagens;

Discernimento — O leitor faz um juízo de valor sobre o que leu e faz o contraponto entre a sua experiência e a dos personagens do texto;

Universalização — Estabelece-se a ligação entre o que acontece no texto e a vida do leitor, que não só se coloca no lugar dos outros (os personagens) como percebe que não está só no tocante às suas inquietações, porque outros vivem desafios semelhantes.

Paralelamente a este processo, quando lemos estamos também: a recordar toda e qualquer experiência que já tenhamos vivido; a associar, isto é, a estabelecer pontes com tudo aquilo que já foi vivido e que constitui a bagagem emocional, intelectual e espiritual que levamos para dentro do texto; a reconstruir ou a imaginar um mundo, uma realidade paralela construída na nossa mente a partir do contributo do texto [4].

Através dos livros, o leitor ou um conjunto de leitores — no seio de uma empresa por exemplo — pode aplicar o que leu na sua própria vida ou na vida de uma instituição.

Nesse sentido, A Biblioterapeuta propõe-se actuar como mediadora, auxiliar na interpretação dos conteúdos e oferecer aos seus clientes a oportunidade de se distanciarem da realidade para rever conceitos, redescobrir emoções, pensar de forma distinta, tomar decisões e escolher novos caminhos.

A mudança para melhor é o objectivo primordial da Biblioterapia.

 

Fontes:

1 – “Reading stories activates neural representations of visual and motor experiences”, Speer NK, Reynolds JR, Swallow KM, Zacks JM., Psychol Sci. 2009;

2 – “Biblioterapia: síntese das modalidades terapêuticas utilizadas pelo profissional“, de Maria Cristina Palhares Valencia e Michelle Cristina Magalhães, Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, v. 29, n.1, 2015.

3 -“Biblioterapia: o estado da questão”, de Ana Cristina Abreu, Maria Ángeles Zulueta e Anabela Henriques, Cadernos BAD ½ (2012/2013), página 95 a 111.

4 – “Cérebro e Leitura – Fundamentos neurocognitivos para a compreensão do comportamento leitor no processo educativo“, de Teresa Silveira, Lema d’Origem , 2014, ISBN 9789898342447

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s